3 de março de 2009

Sentenças

O que parece incerto é confuso
Promessas esquecidas
Dúvidas estranhas

Certezas não me trazem mais segurança
Até porque elas também são incertas
Deixo-me assim navegando nesse mar de ilusões

Me sinto morrendo aos poucos
Com medo e sem culpas
No meio de mentiras e alegrias distorcidas.

Às vezes me vendo como uma imagem desprendida de mim.
Que não sabe por onde ir, em quem acreditar, no que confiar.
Chego então a conclusão que sempre fui só

Meu unico e melhor aliado sempre fui eu
Tenho medo de trair a mim mesmo
Nesse mundo tão inseguro e sombrio onde minha alma sangra

E aonde eu passo deixo o rastro de sangue
E todo lugar manchado sera testemunha do meu sofrimento
Sofrimentos, Lamentos, Revoltas, Cansaço.

2 comentários:

Yomã disse...

Quem é o autor?
Vejo que existem vários colaboradores, alguns usando este mesmo blog, por que não assinam embaixo do que escrevem, do que vivem? Ou este caralho é só para passar o tempo?

Menina Má disse...

geralmente quem posta é quem escreve. Mas esse, foi uma parceria minha e de Nino.

é isso!